PENSANDO

PENSANDO

domingo, 17 de janeiro de 2010

A ORDEM DESORDENADA.

Alguns assuntos nunca conseguem ser concluídos. Eu já prometi que não entraria mais em conversas densas que não pudessem ter um desfecho conclusivo, mas ontem a noite estava em companhia de amigos deliciosos e ali naquele ambiente é inevitávelmente transitamos pelo assunto.
Eu, materialista e com convicções únicas, o João meu adorado amigo com quem tenho uma afinidade que não entendo, a Stela que é uma amiga doce, linda e aconchegante, o Nelson que é iluminado e é a paz encarnada, a Regina, sempre bonita, com quem sou casado, não consigo decifrar e que confronta moderadamente minha opiniões mas convivemos serenamente com isso e a Dany uma amiga diferente de todas que tenho por conta de estar sempre muito próxima e compartilhar comigo coisas importantes, por me confrontar com muita serenidade e me encanta sempre. Feitos os devidos elogios abaixo da medida o fato é que falávamos sobre a morte e desapego. Não entendo como uma pessoa espirita tenha medo de morrer, se eu que não acredito em reencarnação não me incomodo em me manter consciente de que esta vida representa nossa única oportunidade neste mundo. Fiquei aguado de não conseguir completar minha teoria por mais que tentasse e eles me ouvissem com muita serenidade, nada de discussões acirradas. Dizia que existe a razão, que é algo que se forma em nossa mente, que existe também uma essência do que somos com nossas caracteristicas e impressões únicas que causamos nos outros e que a isto poderíamos até chamar de alma e que existe um espírito, se assim querem chamar, que a energia elétrica que faz o corpo da gente funcionar.
Quando morremos a razão termina imediatamente quando o cérebro morre asfixiado, a essência permanece na memória coletiva ou em nossa história pessoal, impressionada nas coisas que tocamos e nos bens e ideias que deixamos, e o espírito se desprende no ar na medida em que eletricidade é energia e se transforma mas não se perde ou deixa de existir. Isto é a morte, depois disso o nada para a gente e sobram ainda as migalhas do que fomos materialmente que aos poucos vão se perdendo na proporção em que somos pouco celebres e seremos fatalmente esquecidos, até porque quem lembra da gente também vai morrendo. Este nada incomoda ao espíritas.
Todos acham que não, que a vida vai prosseguir de forma não consciente mas que a eternidade esta garantida para todos. O sonho de eternidade serve bem para blindar nosso medo da morte, acreditar que venceremos um fato inevitável a todos. Não venceremos, deixaremos de ser, nossos restos serão incorporados por outras possibilidades de existência, nossas cinzas viram terra, que viram planta, que a vaca come e vira leite, que alguém toma e retém a gordura e luta pra te eliminar do corpo dela. Mas ser gordura na barriga de alguém não é reencarnação. E outra, a energia eletrica aterrou-se na humidade do ar, vagou, separou-se e uma hora qualquer vira parte do acumulo dela mesma e se transforma num raio, que cai na cabeça de uma vaca no pasto e destroi outras tentativas de reencarnação de gordura localizada via leite integral que não mais será produzido.
Não tenho a poesia de um Chico Xavier que ajudou e confortou tantas pessoas com sua iluminada maneira de ver algo que eu não consigo, mas vejo nele um ser superior que a tantos ajudou tirando-lhes pesos que sozinhos não suportariam carregar. Eu contrariamente acrescento pesos ou tento, sem objetivos de bem ou mal, impor o que acredito e acredito que também há um outro caminho por onde se pode andar de forma mais corajosa e triste em direção à morte.
Contudo minha maneira de ver não me acrescenta mais intensidade de vida. Acho que quem poupa para outra vidas esta perdendo o investimento e eu no entanto não elaboro ocorrências mais significativas para justificar esta minha existência.
Adoraria comungar com a Stela, a Regina, o Nelson, a Dany e o João dessa visão que eles tem e eu não, mas ela não penetra em mim com a força que penetrou neles, não encontra em mim elementos onde aderir. Em mim ela é vaga e inconcistente.
Falei ainda de algumas dificuldades emocionais minhas e a Dany aconselhou-me a fazer analise, eu acho que faço um pouco de analise aqui quando relembro emoções vividas e as exponho, mas nem sempre resultam em luz, muitas vezes resultam apenas em mais confusão.

5 comentários:

Arquimedes Pessoni disse...

Fique tranquilo que em alguns anos vc resolve essa parada. Tem gente que se preocupa mais com o que tem depois da morte que esquece que tá vivo...e culpa os defuntos pelos seus insucessos...tudo obscessão. O final do último livro do Dan Brown, O Símbolo Perdido, mostra uma experiência científica de uma pesquisadora - personagem coadjuvante no enredo - ligado à noética.Para quem nunca ouviu falar em noética, vai uma ajuda:
A Ciência Noética (do grego nous: mente) é um ramo da filosofia metafísica que trata do estudo da mente e da intuição, e sua relação com o intelecto divino. Entre seus objetivos principais podem-se citar o estudo de uma forma não-racional de conhecimento e como ela se relaciona com a razão. Compreende um estudo interdisciplinar da mente, da consciência e de diversos modos de conhecimento, com foco especial nos campos da ciência, saúde mente-corpo, psicologia (transpessoal, integral e tradicional), artes, ciências da cura (terapias holísticas), ciências sociais e espiritualidade. Na tradição ocidental, a teoria noética foi fortemente influenciada pelas teorias de filósofos como Platão e Aristóteles. Nos dicionários modernos, “noética” é geralmente definido como significando “intelecto”, enquanto noesis é traduzida como “insight”. Esta prática deriva de filósofos e teólogos medievais que usaram a palavra em latim intellectus - significando “intuição”. São Tomas de Aquino, desenvolveu uma teoria da inteligência em sua obra “De unitate intellectus” e “Summa Theologica” de um ponto de vista da filosofia cristã.

A ciência noética não deve ser confundida com Misticismo. O misticismo procura se conectar com o sobrenatural através da filosofia, fé e experiência religiosa. Já a noética é uma ciência, isto é, utiliza o método científico para testar as teorias. Procura explicar fenômenos paranormais através de teorias plausíveis de um ponto de vista científico. Os cientistas noéticos têm como objetivo fundir os até então contraditórios ciência e fé e trazer ao mundo uma grande iluminação, uma espécie de epifania na sociedade.

A ciência noética é ainda pouco conhecida mas, por agradar a maioria dos pontos de vista simultaneamente, é muito bem aceita

Voltando ao comentário, a pesquisadora pesa a alma de uma pessoa após sua morte. Se a alma tem peso, é energia, vai pra algum lugar. Onde será???

Mary Joe disse...

Vitorio, naõ sei bem o que te dizer... sou do time dos que creem. E isso me conforta, sem dúvida.

Acho que o que vier, o que tiver de vir virá. Crendo ou não.

Então, vivamos o hoje, porque ele é efetivamente o que temos.
Beijokas
Mary

My disse...

acredito que vc se lembre também de uma propaganda em que era exibido o ultrassom de gemelares e um perguntava:
-vc acredita em vida após o parto?
e o outro respondia:
-não sei, nunca ninguém voltou de lá para nos contar.

realmente mereceu o prêmio!

Francisco disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Francisco disse...

è meu caro amigo, este assunto é difícil de se chegar a algum acordo em comum. Pelo que acompanho de seu blog, em muitos pontos pensamos da mesma maneira, mas neste ponto eu dicordo de você, mas enfim se todos pensássemos igual a vida não teria graça. (a vida terrena, rsrsrs)
abçs.