PENSANDO

PENSANDO

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

VAI FICANDO TRANSPARENTE

Parece que realmente o ponto básico da facilidade com que alguns se mantem na vida política corrupta se deve ao apoio do judiciário.
A cada dia fica mais transparente a coisa toda.
Um não consegue existir sem a ajuda do outro.
E nós, ingênuos, passamos a vida toda achando que os políticos corruptos é que eram o cancêr a matar a país.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

CRITÉRIO


Cri-té-ri-o substantivo masculino 1. Aquilo que serve de norma para julgamento.
2. Preceito que permite distinguir o erro da verdade. 3. Tino, dicernimento
Então uma pessoa criteriosa é aquela que julga baseada em normas, no histórico, no acumulado de outros julgamentos que foram separando o erro da verdade.
Assim você vai fazendo uma camada depois outra sobre a mesma camada que acaba pegando a mesma feição da camada anterior, e se no meio tiver uma lombadinha depois de muitas camadas viram uma camadona ou um treco meio entortado. Assim a coisa se consolida e cristalliza e ninguém mais tem coragem de mudar aquilo, aquilo é a base de como tudo deve ser. Não mude os critérios, nunca queira mudar os rumos, nunca queira inverter o certo pelo errado. Não anarquise.
Se o primeiro foi assim e deu certo os demais terão que ser e fazer igual.
Eu acho que os rumos hoje estão claramente errados, não sei qual foi o critério usado lá no começo mas julgaram errado e a curva foi sendo feita aos poucos e tudo seguiu para o caminho errado.
Depois de tanto percorrido, não vejo muitas pessoas felizes ao meu lado, não sinto a vibração da felicidade, não sinto realizações não consigo validar a felicidade de certas pessoas, não parece sincera, não parece mais que um disfarce.
As pessoas não estão mais cultas, não estão mais informadas, não estão mais capazes apenas continuam se defendendo da sociedade.
Partimos de algo errado e isso estabeleceu um critério errado.
Não há mais como mudar o coletivo, como apaziguar as pessoas, como saciar a gana por dinheiro dos poucos que estão conseguindo ficar com tudo.
Alguém vai ter que inventar uma saida prá coisa achar um outro caminho.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

600

Viva com calma... logo eu falando isso, logo eu que explodo a cada segundo.
Deixei de ser ansioso com algumas coisas e comecei a aceitar algumas perdas.
Isso muda a vida de qualquer um. Por exemplo, não deu para pagar no vencimento não ligo, não estou nem ai se tiver multa e juros... burrada né? afinal a gente perde para os bancos - esses ladrões - um bocado de coisa boa que poderia ter na vida... mas pense: Se aqui no Brasil pagamos o dobro por um carro que um chileno ou norte-americano, então nascer no Brasil significa já nascer destinado a perder, e perde prá um governo eternamente incompetente em lidar com o dinheiro... então não me estresso mais. Outras perdas: quero ocupar meu dia fazendo algo que eu gosto e é bom para mim, mas as meninas querer fazer outra coisa totalmente diferente, então tenho que aceitar mudar meus planos ou ouvir reclamações, mudo meus planos e procuro algum prazer na nova opção, mas e se não tiver prazer na nova opção? bem então eu me desligo, estou no lugar mas mando minha cabeça para outro lugar, uma vez segui uma formiga por uns 15 minutos, o lugar era grande e ela não fez nada de útil nesse tempo todo. Vagou, voltou, girou e deu em nada aqueles 15 minutos na vida dela... na minha não, aprendi que as formigas ao contrário do que pensamos não fazem porra nenhuma de útil na vida e ainda ficam falando mau das cigarras. Curti bons momentos seguindo a formiga, relaxei e vi que sob meus pés há um universo a ser pisado inconscientemente.
Então não ligo mais para dinheiro e no entanto ele continua nem sobrando nem faltando.
Não ligo prá ferrar meus planos e ainda assim me divirto.
Gosto de pensar, gosto de escrever e hoje especialmente estava confuso porque as coisas não estavam dando muito certo, eu cheguei da beiradinha de começar a ficar puto da vida... vi meu saldo negativo no banco e percebi que ainda poderia sacar mais uma graninha, não tive duvida zerei o limite antes que algum débito automático me roube a alegria, ha ha ha... pagarei os juros como pago os impostos que dobram o preço de tudo que compramos e não reclamamos ( com quem se deve ). Mas quando estava na beiradinha falei prá mim: Hei, calma ai, olha em volta, você esta bem, esta com saúde, dinheirinho no bolso, tem trabalho, festa no Sábado, alguém te espera com festa quando chega em casa ( meus 3 cães ), se der sorte tem até um bolo Dona Benta no final da tarde prá tomar com chá preto. Fica calmo Zé!
Resolvi adiantar minha volta para casa e fiquei no ponto da Van.
Um senhor antigo conhecido meu de vista me chamou e falou: - Sente-se aqui ao meu lado, descanse... cade sua pick-up?
- A policia prendeu em março, agora ando a pé.
- Não teve conversa, não dava prá eles te liberarem?
- Dava nada, mas a pick-up tava muito ruim mesmo e achei até bom, logo logo compro um carro novo...
Dai ele falou: - Eu vou até Cidade Dutra, mas tenho que voltar logo, não posso ficar muito tempo em pé, o doutor mandou eu usar essa moleta, eu tomo um remédio muito forte e fico tonto e caiu se não comer sempre... lembra aquele dia que eu te parei na rua e pedi um dinheiro prá pegar o onibus prá Itapecerica, não era para o onibus, era prá eu comer algo, eu fiquei com vergonha de pedir prá comer... e você me deu o dinheiro e falou que não precisava pagar... e os caras tiram o carro de uma pessoa como você... e com bandido eles não mexem...
se um dia eu tiver dinheiro eu te pago.
Eu nem lembrava mais disso.
Esse sou eu.
Sou alguém que os outros conhecem mas eu não conheço direito.
Só sei que estou mais calmo, penso, sigo formigas e escrevo.
Aqui neste blog esta é minha postagem de número 600.
Já escrevi mais de 1000 para este blog e a diferença não publiquei, tem coisas que não são boas para serem publicadas, só são boas para serem escritas.
Hoje sento e converso com muita gente, minha vida tem profunda validade, antes eu fazia ultrapassagens e não via nada. Mas ainda explodo, na hora errada, com a questão errada... acho que isso posso atenuar mas não vou mudar.
Cansei de reclamar, acho que não adianta, eu queria ter uma bomba, um flit paralisante qualquer...
Viva ligado, com calma e suave com os demais.


BARÃO VERMELHO
Solidão a dois de dia
Faz calor, depois faz frio
Você diz "já foi" e eu concordo contigo
Você sai de perto eu penso em suicídio
Mas no fundo eu nem ligo
Você sempre volta com as mesmas notícias
Eu queria ter uma bomba
Um flit paralisante qualquer
Pra poder me livrar
Do prático efeito
Das tuas frases feitas
Das tuas noites perfeitas

Solidão a dois de dia
Faz calor, depois faz frio
Você diz "já foi" e eu concordo contigo
Você sai de perto eu penso em homicídio
Mas no fundo eu nem ligo
Você sempre volta com as mesmas notícias
Eu queria ter uma bomba
Um flit paralisante qualquer
Pra poder te negar
Bem no último instante
Meu mundo que você não vê
Meu sonho que você não crê

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

ONDE OS COVARDES NÃO DESCANSAM

O maior valor do ser humano é a dignidade.
Aprofundando, se você tem dignidade, certamente consegue compreender a dignidade que existe em outro seres vivos; humanos ou não. Se você nem sempre consegue distinguir a dignidade alheia, pode ser apenas que você não esteja completamente formado e maduro, mas pode ser também que você tenha um probleminha ai... eu fico sempre ligado em detectar a dignidade em outras pessoas ou em qualquer outro ser vivente, mas as vezes dou umas escorregadas feias, e me sinto muito mal quando isso acontece.
Meu espelho, meu travesseiro ou mais diretamente minha consciência gritam em meu ouvido, como o Grilo falante, que eu fiz besteira, as vezes besteirinha, muitas vezes besteira grande. Percebo então que não observar a existência de comportamentos dignos e respeita-los é uma forma repugnante de covardia.
Sempre lido com as coisas aqui na chácara e nunca mato nenhum inseto, mas uma colônia de vespas esta me atazanando a vida e já levei picadas doloridissimas, acabei por decidir extermina-las, contra todos os meus principios... seria algo comum para qualquer pessoa normal, além de não ser fácil, porque elas são muito rápidas e espertas, é preciso usar de golpes baixos e bem covardes para conseguir algum sucesso contra elas. Você precisa ser bem covarde, usar de desproporções de inteligência, força e métodos.
Meus cães também não me ajudam muito, resolveram matar um outro cão que contra eles nada fez a não ser querer usar a estrada diante da chácara, não conseguiram mata-lo, mas atacaram em dois, muito mais fortes e traiçoeiramente. Isto é desmedido, saltei no meio deles, algo que qualquer pessoa com o mínimo de juízo nunca faria, e não obtive sucesso algum... por fim a luta se extinguiu na única oportunidade que o agredido teve de fugir... ai o covarde aqui foi castigar os cães, só então se mostrando submissos fui eu, e dói ai minha consciência pela desmedida força da ação.
Não fosse tudo tão rápido em nossas vidas poderíamos decidir como decide a justiça brasileira, ao longo de anos e anos de retardos no decidir... na vida real as soluções urgem e erramos covardemente por não saber medir a atitude, aplicamos muita força e erramos. Mulheres usam pouca força para abrir o vidro de palmito, homens usam força demais para apertar as parafusos das rodas dos carros. Nada esta na medida certa, mas não sofre a tampa nem sofrem os parafusos, mas quando há vida, bem, com vida é outra medida.
Cada qual tem sua natureza e age dentro dela, cada qual tem sua força e a aplica conforme seus instintos e cada qual tem seu grau de dignidade e dentro dessa dignidade cabe muita coisa. Cabe consciência, culpa, respeito, compaixão e aceitação.
Eu erro na dose, erram na dose comigo, falta ajuste, falta sentir dentro da pele do outro.

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

MORDENDO OS PÉS DO TEMPO

Outro dia postei algo no Facebook sobre uma conversa com uma senhora muito humilde e muito falante que tem uma filha com um doença que eu não soube ao certo o que era e que me impressionaram muito, e quase me levaram às lágrimas, tanto a história quando a dignidade da mulher.
Depois andando meio puto e perturbado com o mundo que esta a minha volta e que não só a mim desagrada, mas a todos em maior ou menor grau e para o qual não tenho e não ouço nada que possa indicar que vamos em direção a uma melhora ou em direção a alguma mudança, caiu-me a ficha de que ando afastado de algumas coisas muito básicas... uma delas é a de conversar, melhor, a de ouvir pessoas muito humildes falarem de si. Nisso me passa um cidadão de um metro e meio de altura que de longe vinha de cabeça baixa e só muito próxima a mim ergueu levemente a cabeça para de uma forma muito tímida me dizer olá e seguir em frente. Senti naquela timidez uma força que respeito. Percebi que quando se esta puto e de saco cheio desta vida forçosamente material e rotineira, quando você já não suporta mais ouvir que existe um banco, um governo um serviço publico ineficiente um monte de abobrinhas, inclusive as minhas, ditas nas redes sociais como se fosse grandes verdades... que um oi de um humilde contem um universo de verdades que precisa ser respeitado.
O humilde não é fútil, ele expressa o universo de forma simplificada porque sua capacidade de ver o mundo é muito simplificada. Com isso é possível em uma conversa curta ouvir deles meia dúzia de frases perfeitas e completas sobre verdades que alguns pensadores passam um vida toda e não conseguem formular.
O humilde é o alvo da maldade do mundo, da arrogância daquele que se julga e acha melhor, e o humilde aparenta aceitar isso não porque se acha inferior, mas porque simplesmente entende a vida de forma melhor e mais completa que o fútil agressor.
Não me ligo em Chico Xavier, tenho minhas duvidas sobre ele, mas certa vez ele contou sobre um natal onde eles nada tinham para comer relativo à festa de Natal, então foram comemorar o natal num terreno, num campinho de futebol onde as pessoas cantaram, se abraçaram e choram de alegria. Não havia ali nada a se comemorar a não ser a vida,  a felicidade de estar vivo, foi um natal feliz, sem presentes sem comida de natal sem o falso espírito...
O humildes conseguem isso, eles mordem os pés do tempo, eles não pertencem a tempo algum, são universais, por não esperarem nada da vida a não ser estar vivos julgan-se já possuidores do principal e do essencial. Não buscam aquilo que torna aos outros infelizes. O tempo não lhes cobra nada, a vida é em todos os momentos, não sabem a diferença entre ter rugas e celulites ou não te-las. Tem a noção de que o tempo passa, mas não julgam que passa só para eles e acreditam na recompensa que vira, mas não correm morrer para alcança-la... apenas esperam vivendo e mordem os pés do tempo.

VOCÊ NÃO ESTA TRISTE, VOCÊ É TRISTE.

Estou triste... triste comigo!
Vou escrever com o fundo do coração.
Das coisas que não gostaria de ser na vida, sou grande parte delas... inútil lutar contra as forças do destino.
Não sou místico e não encontro conforto no misticismo, sou parcialmente budista, nem isso, gosto de algumas ideias do budismo, mas abomino os templos, as atitudes dos monges e a forma cega com que incorporam certas renúncias. Sobra pouco para me confortar.
Minha prima escreveu-me certa vez que ao perder boa parte de sua família na infancia dedicou sua vida a construir uma nova família onde pudesse ser feliz e distribuir a felicidade, ela conseguiu, tem bom coração e aceita bem as renuncias.
Eu em alguns momentos de minha histórinha de vida tenho arrebentado a família ao invéz de semear a serenidade dentro dela, isso sem vicios e sem leviandade, apenas não sabendo como fazer direito e não sei dar forma precisa à matéria prima bruta que tenho em mãos.
Mas honestamente não tenho o bom coração e a capacidade de renuncia que muitos que conheço tem. Olho-me e vejo que não sou o tipo de pessoa que consegue ficar no mesmo personagem por muito tempo, aborrece-me, estou sendo honesto... não se deve ser honesto! Bom pai teria que ser... mas falta-me base. Não tive um, não consigo aprender, não sei invejar o de outros para idealizar, só tenho a certeza de que há algo fora de controle.
Coisas muito boas acontecem em minha vida, uma coisa maravilhosa esta acontecendo hoje, e em seguida outras coisas que muitos invejariam vão acontecer... então, qual é a linha do horizonte? Não basta a felicidade momentânea?
Em alguns textos tento explicar, neste aqui tento confundir.
Embora eu não seja um artista, tenho uma alma de artista que gosta de estar melancólico, solitário e reflexivo... isso não me faz mal... sinto a vida plena em mim quando percebo que entrei neste recinto da vida. Dai busco nas coisas mais simples, mais sintéticas, mais essenciais a tratudação de algo que me possa inquietar e fazer salta fora deste ambiente com algo que possa ser mostrado e dito: - Olha o que consegui sacar da vida, compreendem?
Ora, tem uma carência oculta ai. Mas aquele ambiente silencioso e sombrio é de todo o meu agrado. Parar e contemplar de forma atemporal, sentir uma sensação estranha, um calafrio no estomago, como se algo tenta-se sair do chão ou do ar e entrar por ele dentro de mim. Árvores e bosques me fazem isso, aqui em meu bambuzal tem uma energia que me entristece. Há ali um vazio e quando chego não preencho, pelo contrario, sou tragado.
O elo que me conectaria ao meu pai foi rompido a dezenas de anos com sua morte, o elo que deveria me conectar à minha mãe, não entendo, não se materializa não importa o quanto de energia se coloque nele, o elo para o futuro que me conectaria com minha filha parece que se dissolve mais a cada dia não importa também quanto de energia se coloque nele.
Assim, sabe aquela liberdade que todos almejam, pois é, eu a tenho... e digo, fujam dela. Não é a ela que buscam... não existe a liberdade como vocês imaginam. Você não estará nunca livre das pessoas e de suas obrigações primárias.
Há um mundo imperfeito, bastante imperfeito, e nele tentamos colocar remendos e construir pontezinhas frágeis entre seus fragmentos confusos. Fazemos e faço isso com uma honestidade forte que sai mesmo do fundo do coração, mas colocar um vigor moldado no bom propósito para unir coisas duvidosamente construidas não produz conexões que nos satisfaçam.
Saudades de minha adolescencia e juventude, onde como hoje, tudo era possível.
Mas naquela época eu lia com  forte esperança e prazer Hermam  Hesse e  Gibran Kalil Gibran  ( entre outros ) e entendendo patavinas do conjunto, sacava aqui e ali uma frase que me fazia suspirar. Hoje entendo melhor o conjunto e ele já não me faz mais suspirar. Mas eu pensava que por sobre aquilo construiria uma estrada plana e suave, uma estrada que me levaria a um local de muita serenidade... estou neste lugar, acreditem e ele é triste. Ele ensinou-me e me persuadiu a ser desapegado de tudo, principalmente dos bens materiais, e sou. Mas quem esta a minha volta não é, então estou isolado de todos... sou exotico.
Não é queixa, não é pedido de ajuda, não é conselho é pura constatação apenas.

domingo, 23 de outubro de 2011

CARA DE CULPADO

Temos um cachorro chamado Snow, totalmente preto, pastor belga que tem cara de culpado. Se algo de errado acontece é só olhar para a cara dele e ter certeza de que a culpa é dele. Ele é impuni por isso, é tão evidente que foi ele que fez a besteira que não há como punir um cara que faz besteira e não vê nada de errado nisso.
Todos temos alguma culpa e eu fiquei fascinado quando ouvi pela primeira vez a frase: Vou te bater sem saber qual sua culpa, mas você sabe porque esta apanhando.
O atual ministro do esporte, desde a primeira vez que botei os olhos nele, ainda no governo anterior, me pareceu ter cara de culpado. Eu não sabia qual era a culpa dele  mas eu sabia que alguma ele estava aprontando. Ele nasceu com cara de culpado. "O tempo é o senhor da verdade", diria  um outro ex presidente, famoso por suas frases dominicais estampadas em suas camisetas ao sair da Casa da Dinda prá dar um showzinho...
Eu conheci muita gente com cara de culpado mas o campeão era um individuo chamado Aristeu. Nunca vi nada igual, ele conversava com você desviando o olhar o tempo todo, se alguém se aproximava ele mudava de assunto, por mais banal que fosse o papo, um cara transtornado pelos erros que cometia, e seu erro básico era roubar a empresa em que trabalhavamos. Era uma figura muito escancaradamente culpada... depois dele encontrei muitos outros com a palavra "culpado" escrita na testa, mas ninguém com cara e olhar tão denunciadores quanto o Snow e o ministro.

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

COMO ESCULPIR UM SONHO

Esta postagem vai consumir muito tempo seu.
Quero mostrar um trabalho que deve agradar a poucos.
O artista Kris Kuksi, americano nascido em 1973 e que de sua vida solitária em contacto com a natureza elaborou dentro de si um gosto por obras apoteóticas e apocalipticas. Seu trabalho é uma busca a elementos que possam se unir e harmonizar numa forma final bastante agressiva e inesperada.
Eu fiquei algumas horas, já, olhando cada foto de suas reproduções, e cada vez que volto a alguma recomeço a encontrar elementos que me havia escapado.
São enredos dentro de enredos num universo sem fim.


É como se ele contasse um história com varios acontecimentos em paralelo mas todos interligados entre si. São incontáveis objetos reunidos em escalas diferenciadas mas guardando sempre a estética de monumentos simétricos.
A uma certa aparencia industrial na coisa toda, parece um refinaria construida em homenagem a Beethoven ou coisas esquisitas assim. tem escadas e canos ao lado de clássicos conhecidissimos. Há também muita ironia e beligerância em tudo.
Sua obra é apreciadissima nos Estados Unidos e compõem as coleções de figuras famosas do cinema e de grandes colecionadores.
Muitas já foram usadas como cartazes e  posters e em mais de 100 mostras em galerias e museus pelo mundo.
Se você gosta, dê uma viajadinha bem demorada lá pelas brechas e cantinhos escondidos, é muito saboroso. Tente ampliar as imagens ao máximo.

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

SEREMOS A VERGONA NOS LIVROS DE HISTÓRIA

Alguns podem achar que lá do fundo surgirá de repente uma força esmagadora que limpará o mundo da injustiça social e da corrupção.
Os brasileiros estão usando as redes socias para juntar multidões(?) nas ruas para protestar contra a corrupção.
Que nada, não há nada de visceral nessas passeatas de protesto.
Modismo, puro modismo, organizamos algumas passeatazinhas, bem zinhas, prá não ficar feio totalmente. Até quem tem menos acesso que a gente, e com internet censurada, faz em 12 horas mil vezes mais barulho e estrago do que a gente consegue fazer em mil  anos.
Somos patéticos, somos cúmplices, votamos nos caras errados todas as vezes.
O mais próximo que chegamos de um movimento sério, próximos vejam bem, foi na campanha das diretas. Mas nem assim o movimento consegui emplacar a mudança constitucional para se ter eleição direta, ela veio depois por outros caminhos e quando veio votamos no Collor, então,  porque o próprio Collor pediu errado*, saimos as ruas prá derruba-lo, e não derrubamos, ele caiu por conta de não querer negociar com o congresso e isso foi muito diferente. Se tivesse negociado como todo mundo sempre negociou, tava lá até hoje, como aliás, esta.
Somos cumplices de tudo de errado que rola hoje neste pais porque aqui ninguém bota o dedo na cara de ninguém, e se coloca não mantém.
Eita povinho pequeno esse nosso, que não sabe fazer outra coisa senão festejar.
Lamento, mas não acho que nós estamos escrevendo uma pagina muito bonita, digna e honrada de nossa história.
Seremos a vergonha nos livros de história.
Melhor nossos bisnetos não irem para a escola, senão vão rir da gente.

* O Presidente Fernando Collor, num erro estratégico foi a tv durante seu mandado, quando estava sendo atacado duramente pelas declarações e revelações de seu irmão Pedro, e pediu para o povo sair a rua em sua defesa. Disse: Não me deixem só, saiam as ruas com camiseta verde e amarela para me defender. Imediatamente as pessoas saíram de camisetas pretas nas ruas e começou o movimento dos caras pintadas.

terça-feira, 11 de outubro de 2011

UM ÓTIMO ZÉ.

Lembro dele quando voltou da Disneylandia, na Califórnia, verdadeiramente possuído pela ideia de reproduzir aqui no Brasil um parque idêntico. Criou então em Guarulhos.SP. um projeto parcialmente implantado chamado Vasconcelandia.
Ele fazia uma propaganda na tv para vender cotas de participação financeira no empreendimento idêntica a propaganda que Walt Disney fez para criar a sua Disneylandia. Os mais jovens nem sabem o que é a Disneylandia, porque depois a industria Disney construiu outros parques pelo mundo que ofuscaram o encurralado parque do oeste americano, que eu nem sei se ainda existe.
Mas a Vasconcelandia era a oportunidade dos desvalidos de São Paulo, ao menos, de terem um parque igual e tão fascinante.
O pai de uma amigo, o Wagner  Lopes, comprou uma dessas cotas e frequentemente, parece, ia ver como andava lá a implantação do parque, mas infelizmente para o pai do Wagner, para o Zé Vasconcelos e para mim, que sonhava com o parque pronto, não deu em nada.
Ele foi um sonhador maravilhoso, um grande humorista que hoje pela madrugada nos deixou aos seus 85 anos.
Por sua carreira tão digna, por seu humor tão gostoso, por sua cara tão naturalmente engraçada, por seu sonho que foi o nosso sonho, meu muito obrigado Zé.

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

AJOELHOU, TEM QUE REZAR...

O caso é que tenho ido trabalhar numa escola, cliente minha, usando o transporte dos alunos, um enorme ]ônibus que circula por estradinhas vicinais numa paisagem de cinema. Tem uma localidade chamada Lagoa Grande que é o ápice da beleza. Depois de atravessar bosques e imensas plantações de verduras você chega a um vilarejo muito bem cuidado com casas boas e que lembram aquela casa da avó de muita gente tem no interior. Casa de arquitetura simples mas com muitos comodos, atenção especial na cozinha sempre enorme ], área de serviço e varanda imensos, gramado aparadinho com muitas plantas e uma magnifica horta e pomar  ao lado. Existem várias assim, e algumas delas ficam atrás de um enorme quarteirão onde esta a igreja de São Judas Tadeu e uma bela venda, onde algumas vezes tomamos cervejas bem geladas, quando pedalavamos naquela região.
Mas todas as manhãs eu me sento do lado direito do ônibus, na janela, da metade para frente e todas as manhãs via uma senhora na janela dando tchauzinho quando o ônibus passava.
Mas aconteceu que um aluno não esta mais sendo pego e o ônibus encurtou o itinerário e agora só passa pela frente da igreja evitando a volta ao quarteirão e o tchauzinho da senhora.
Normalmente não volto com o ônibus, mas hoje calhou de eu voltar.
E eis que vi uma movimentação estranha no ônibus, havia um burburinho das crianças cobrando justamente o aluno mais levado a dar o tchauzinho prá velha.
Na volta o ônibus deixa uma criança na porta da venda, bem em frente a casa da velha e eis que lá esta a velha na janela esperando o ônibus com seu tchauzinho.
O garoto levado, só hoje observei, retribui o tchauzinho e a ficha caiu.
Ele começou a fazer o gesto na gozação.
A velha sem maldade retribuiu e passou a dar o tchauzinho todos os dias, e mais, fica lá todas as manhãs faça o frio que for para esperar o ônibus. Como agora ele só passa lá na hora do almoço ela mudou de horário a espera do garoto.
Ele começou com uma gozação e caiu numa armadilha constrangedora.
Agora é obrigado a dar o tchauzinho todos os dias porque a turma todo fica pressionando ele e porque a conciência dele agora cobra pesado.
Ele, acredito, não imaginava que se enrolaria em sua própria brincadeira e aprenderia com isso que fez uma amiga e que essa senhora respeita, e muito, o gesto dele. Ele muda de semblante quando dá o tchauzinho, faz o gesto com respeito e reciprocidade. Aprendeu algo... aprendeu que há humanidade espalhada por todos os cantos e em todas as pessoas, que o que para uns pode parecer um gesto irônico para outros é interpretado como um sólido gesto de amizade;
que a vida surpreende e ensina até a quem achava que, em sua santa imaturidade, não tinha nada a aprender.
Ele caiu numa boa armadilha, numa armadilha do bem.

FACIL DE ENTENDER 2


Cláudio disse...

Muito legal este texto, só gostaria de chamar a atenção que não existe provas conclusivas que Sid matou sua namorada, Nancy Spungen.
Havia suspeita de um traficando de drogas. Ela era famosa por tentar enganar os traficantes. A Justiça libertou Sid em 1979.

SIM! É VERDADE CLAUDIO, NÃO EXISTEM PROVAS CONCLUSIVAS, E ELE MORREU 24 HORAS APÓS SAIR DA PRISÃO PREVENTIVA PONDO FIM AO CASO, NO QUE SE REFERIA A ELE. OBRIGADO PELO IMPORTANTE TOQUE.

domingo, 9 de outubro de 2011

ESTA PORRA PRECISA FUNCIONAR MELHOR.

Quando minha filha foi pela primeira vez ao circo numa excursão da escola eu fiz questão de ir junto. Era um circo mambembe e estava montado num tradicional campo de várzea onde sempre se instala um parquinho ou a festa dos caminhoneiros de São Cristóvan. O local fica a no máximo um quilometro da escola e a apresentação seria as 9h da manhã. Era ao lado de meu trabalho e fiquei na entrada esperando o ônibus da escola, o circo se chamava Venegaz. Quando o grupo dela entrou eu me dirigi ao homem da portaria e disse que minha filha ia assistir a uma apresentação de circo pela primeira vez na vida e que eu queria estar ao lado dela e perguntei quanto era o ingresso. O homem me olhou sem expressar qualquer tipo de emoção e apenas falou: - Pode entrar!
Eu fiquei meio desconsertado e assisti a uma apresentação bem simplizinha com um monte de falhas aos meus olhos, mas que foi a alegria das crianaças da escola.
No circo de elenco pequeno, todo mundo fazia tudo e já tratei aqui justamente sobre isso falando de um outro circo que foi o último que vi o ano passado.
Mas num momento da apresentação, o mestre de cerimônias, com forte sotaque espanhol soltou um pequeno discurso para aquelas cabecinhas ouvintes sobre a imensa dificuldade de se viver de circo e do valor que tinham em preservar um cultura e uma arte em extinção.
Pensei: "Não faça esse discurso para o dono do Circe du Soleil".
O empreendimento Circe du Soleil tornou seu dono um bilionário. Ele reinventou algo sem mudar nada na essência da tradicional arte. Apenas fez melhor, fez infinitamente melhor, fez sem feras, mas fez usando a alma e o misticismo do circo.
Circo é uma coisa universal, existe em todas as regiões do planeta e em todas as culturas e por incrível de uma forma muito semelhante. Mas mesmo assim alguém consegui reinventar o garfo. Você consegue aperfeiçoar um garfo? Que mudanças você faria para tornar um garfo algo mais prático e funcional? Difícil não? Eu diria difissílimo para mim, para você e para qualquer um que não seja um gênio absoluto. Reinvetar algo essêncial é uma coisa rara que ocorre na história da humanidade de forma tão poucas vezes que seria possível contar nos dedos das duas mãos quando este tipo de vento aconteceu nos 15.000 anos conhecidos da civilização.
Vamos lá, alguns, sem querer esgotar as possibilidades:
1 - Invetar a roda ao invés de empurrar ou puxar em total atrito com o meio. Mas isso não sabemos se foi obra de uma unica mente pensante.
2 - Inventar a prensa de tipos móveis, ou a imprensa ao invés de ficar reescrevendo o mesmo texto o tempo todo.
3 - Criar uma lâmpada incandecente, ao invés de aperfeiçoar uma vela de sebo e pavio, veja que partiu-se de um efeito para o mesmo efeito sem no entanto usar o mesmo sistema.

Bem, com esforço você vai conseguir chegar a uns 10 itens nesta mesma linha de pensamento.
O que eu não entendo é como alguém acha que avança fazendo sempre a mesma coisa, como alguém acredita que melhora choramingando que a vida é dura, como alguém espera escrever seu nome na história fazendo sempre mais do mesmo.
Fala para mim, você assiste novela? Existe algum minimo traço de ineditismo em alguma novela nos último 15 ou 20 anos. Mas para o cinema tem sempre coisas novas sendo abordadas, enfoques mais aperfeiçoados sendo filmados, novas técnicvas efeitos nos entortando a cabeça. O cinema avança em conteúdo e forma ao passo que na novela a Globo coloca a mesma personagem em duas novelas que estão no ar ao mesmo tempo... porque não tiram do ar o canal e não deixam as pessoas perplexas procurarem  outra coisa com que se ocuparem. Pobre Cassia Kiss e Lilian Cabral que prá viver se expôem a um vexame desses...

Inventivos, audazes com forte tempero de loucura são os poucos, raros que se atrevem a anunciar uma novidade, a testar com recursos próprios um nova idéia.
Os Beatles nas mãos do George Martin foram inovadores e recriaram a industria da música, a música, o rock and roll e o comportamento dos adolescentes do mundo todo ao mesmo tempo, num tempo em que o mundo não era globalizado. Os Stones ao mesmo tempo foram apenas uma banda de rock.
Os Stones continuam ai, fazendo mais do mesmo... eternos e divertidos, mas mesmicimos.
Eu não saberia como inovar coisa alguma, eu não saberia como fazer mudanças comportamentais que afetassem todo um segmento, mas sei observar, e este é meu papel. O Legião Urbana, varreu da história do rock brasileiro tudo que havia antes. Os caras fizeram de uma música bem simples uma coisa inédita no Brasil, antes a ideia era copiar as bandas de fora, eles fizeram, não sei definir, uma revolução a ponto do album "Dois" ter todas suas músicas tocadas no rádio, não uma ou duas, mas todas, e isso nem os Beatles fizeram, tornaran-se um das bandas que mais venderam discos no mundo, no mundo. Havia um tremendo indeditismo em "Eduardo e Mônica".
Assim um cirquinho chora a vida dura, enquanto o outro não tem onde guardar tanto dinheiro. Uns se tornam eternos e outros as vezes são lembrados.
Mude seus habitos, mude de lado da cama, pense com a cabeça dos outros, acorde mais cedo exerça a compaixão, tem uma coisa faltando de ser inovada, não falemos de invenção, já temos o bastante, o que falta é fazer o mundo funcionar melhor.

FÁCIL DE ENTENDER


Neste final de semana tivemos a primeira apresentação do Justin Drew Bieber em São Paulo. A midia e o mundo paulistanos cairam de pau no garoto. Dança mal, canta play back, montagem do show é capenga, não tem presença de palco, repertório fraquinho, não vale o preço do ingresso.
Choveu forte em São Paulo no final da tarde e o bairro do Morumbi ficou duas horas sem energia e o estádio trabalhou com geradores para um show que milagrosamente atrasou só 30 minutos.
Os números são alarmantes, centenas de desmaios de jovens na faixa dos 12 aos 15 anos, piscinas de lágrimas, milhares de pais do lado de fora esperando o show terminar para resgatar suas rebentas, minha mulher inclusive, celulares em pane geral porque na hora que terminou o show havia apenas 104.000 linhas de celulares tentando usar a mesma antena ao mesmo tempo prá dizer em que ponto do lado de fora deveriam se encontrar, um acontecimento digno de estudo ciêntifico das probabilidades, como 52.000 mil pais consegueram encontrar 52.000 filhas no mesmo local num espaço de 15 minutos, isso dá 58 encontros por segundo, num processo de cruzamento de informações e identificação de material genético altamente sofisticado e feito por métodos absolutamente pragmáticos. Um espanto. Eu a 30 quilometros do local, com mais facilidade de utilização do celular consegui juntar minha mulher e minha filha defronte ao portão numero 15 em 128 segundos, portanto elas completaram o par numero 7424. Um outro espanto. A brincadeira custou-me uns R$ 400,00... entre ingresso, roupas e corante de cabelo na cor roxa, e o Justin entrou de preto e vermelho ao invés de branco e roxo, combustível e suprimentos liquidos e sólidos para manter a filha viva e sem desmaios.
No Facebook, baixaram também o pau no garoto, basicamente questionando a sexualidade dele, embora a Selena Gomez não sejá lá exatamente o sonho de consumo de nenhum gay. Eu agora vou fazer a defesa:
E daí que as garotinhas de cabeça vazia adoram o não menos vazio Justin?
Qual foi seu ídolo na adolescencia? Os meus foram: Os Beatles, o Pink Floyd, o Alice Cooper basicamente.  Minha filha nem gosta tanto assim do Justin, mas gosta de estar inserida na onda de adoração de algum idolo, seja ele quem for, para não ficar de fora, para ter sobre o que falar, para seguir alguém, ela nem sabe o que as letras dele querem dizer e eu só recentemente consegui descobrir a tradução de algumas letras dos Beatles e do Pink Floyd. Não há uma razão forte para elas adorarem ele, e por isso não devem ser confrontadas, é mais uma questão instintiva de ter um ídolo que propriamente gostar do cara. Poderia ser qualquer um outro. Poderia ser o Sid Vicious do Sex Pistols que aos 21 anos já tinha varias overdoses em sua biografia, já havia matado a namorada esfaqueada enquanto estava chapado e que assim que foi solto da prisão se matou com uma outra overdose de heroina. O que é melhor?
Olhe para as fotos; sua filha gostar de um menino com uma carreira musical vazia ou se mirar num punk autodestrutivo, embora deva reconhecer, um contestador com algumas boas verdades explicitadas sobre o marasmo do mundo.
O mundo já tá violento demais, ter um Justin Bieber que não coloca fogo no piano e que não quebra os instrumentos depois do show e o quarto do hotel durante a tourne já tá bom demais.
Pode ser fraquinho, pode ser feminino, pode ser sem talento, mas é um garoto batalhador, que construiu sozinho e sem se prostituir seu inicio de carreira.
Mulheres estão preferindo homens mais femininos porque o padrão machão espancador já cansou e não terá mais espaço muito em breve. Ao invés de você ficar desdenhando melhor perceber que o vazio do Justin é melhor que o extremo vazio do Funk que além de tudo faz apologia a criminalidade e nem é musica, nem é movimento, nem é atitude... é um nada.
Vamos lá moçada, relaxem, vai passar... Baby, baby, baby ohhhhhhhh.

sábado, 1 de outubro de 2011

NUNCA PROMETA...

Não conte com a sorte, ela não vai te favorecer.
Não faça apostas no futuro, algo sempre vai dar errado e você vai ter que pagar caro por isso.
Coisas aparentemente impossíveis acabam acontecendo, sempre, e ai as coisas podem se tornar contra a gente.
Esta história me foi mostrada por meu amigo Paulo, e eu acho que não é verdadeira, mas pode ser...

No dia 20 de julho de 1969, Neil Armstrong,comandante do módulo lunar Apolo 11, se converteu no primeiro ser humano
que pisou na Lua.

Suas primeiras palavras ao pisar no nosso satélite foram:
"Este é um pequeno passo para o ser humano, mas um salto gigantesco para a humanidade".
Estas palavras foram transmitidas para a Terra e ouvidas por milhares de pessoas.
Justamente antes de voltar à nave, Armstrong fez um comentário enigmático: "BoaSorte, Sr.Gorsky."

Muita gente na NASA pensou que foi um comentário sobre algum astronauta soviético. No entanto, depois de checado, verificaram que não havia nenhumGorsky no programa espacial russo ou americano.
Através dos anos, muita gente perguntou-lhe sobre o significado daquela frase sobre Gorsky, e ele sempre respondia com um sorriso.

Em 5 de julho de 1995, Armstrong se encontrava na Baia de Tampa, respondendo perguntas depois de uma conferência, quando um repórter lembrou-lhe sobre afrase que ele havia pronunciado 26 anos atrás.
Desta vez, finalmente Armstrong aceitou responder.
O Sr.Gorsky havia morrido e agora Armstrong sentia que podia esclarecer adúvida.
É o seguinte:
Em 1938, sendo ainda criança em uma pequena cidade do meio oeste americano,Neil estava jogando baseball com um amigo no pátio da sua casa. A bola voou longe e foi parar no jardim ao lado, perto de uma janela da casa vizinha. Seus vizinhos eram a senhora e o senhor Gorsky.
Quando Neil agachou-se para pegar a bola, escutou que a senhora Gorsky gritava para o senhor Gorsky:
"O quê??? sexo anal? Você quer sexo anal?. Sabe quando você vai comer aminha bunda? Só no dia que o homem caminhar na lua!".


terça-feira, 27 de setembro de 2011

VOU




Quando iniciei este blog comentei que colocaria a mochila nas costas e partiria,
pois bem, acho que a contagem regressiva vai começar.
Não sei dizer de onde surgiu a ideia, sei que ela foi se formando e se completando na medida em que pesquisava os mapas e na medida em que a sorte me colocava nas mãos materiais e informações que iam me ajudando a lapidar melhor minha ideia. O objetivo sempre foi o Chile via Argentina por terra. Meu amigo Élcio pensou depois e saiu na frente e já esta a caminho, e sem duvida lendo o site dele a motivação começa a subir rapidamente de temperatura.
Quero ir até a capital e depois descer sem muito planejamento até o extremo sul em Uchuaia. É quase a pontinha do continente. E o que tem lá? Para mim nada de especial, a não ser que esta lá e é longe.
Vou só, vou para sentir, vou para desenhar e pintar vitrais nas janelas de quem me deixar. Imagino poder fazer isso da casa mais simples à mais sofisticada e assim ir me inteirando com as pessoas aos longo das semanas que vai durar a aventura.
Imagino que não deveria voltar antes de 3 meses, tempo mínimo para desprender daqui e conseguir dar um mergulho nas possibilidades.
O inesperado é o que existe, não existe a rotina, a hora marcada, o guia esperando a coisa certa. Evitar os roteiros turísticos e arriscar esticadas e paradas nos lugares mais improváveis, aprender ficando.
Planejar somente o essencial, prever apenas o resgate.
Levou informação e coragem, e espero ter gosto pela aventura e pela superação.
Saber, vendo, o quê existe do outro lado da cordilheira, ver um outro oceano que não o nosso já tão batido e conhecer o frio que eles sentem lá.
Vou marcar inicialmente de forma secreta a data de ida, depois contarei para me ver na situação de não mais poder voltar atrás.
Não é o maior sonho de minha vida, é apenas algo que sinto esta ao alcance neste momento.

sábado, 24 de setembro de 2011

O PÚBLICO NÃO VIRÁ.

Percebe o valor do texto  e se emociona com isso, vê que aquilo dá uma encenação, que tocará o coração das pessoas. Que magnifica ideia, tão completa, tão atual, alguém ira mudar algo em sua vida quando ver esta ideia num palco. Estuda o texto, decora, marca, ensaia a voz, o ar o tempo, o tempo em que deve haver apenas o silêncio, momento em que todos deverão apenas refletir sobre o que foi ouvido, algum filho da puta ira tossir, uma cadeira ira ranger... não importa o silêncio entre as frases ira fazer crescer a importância e criar no público a suspensão da respiração. Pânico, a próxima frase não vem, terá o ator esquecido o texto?
Pensa e desenha os figurinos, projeta os cenários, define as luzes e escolhe as músicas.
Varre o palco, faz alongamento respira a eterna poeira em suspensão.
Ensaia, costura, serra madeira e pinta lona, desenha cartaz, manda prá grafica, pede desconto encurta o prazo. Some da praça. ninguém mais te acha. Entrevado, ensaiando, buscando o personagem, acha, não, não é isso, acha outro este pode ser... é este, achei este é o tom, o ar, a cara ensaia a maquiagem, se emociona com a trilha sonora, que puta trilha sonora, nunca se ouviu nada assim antes nos palcos, isso vai fazer todo mundo chorar. Monta o cenário, afina as luzes, acaba os figurinos, consegue emprestado os últimos objetos para compor o cenário, cuidado heim, quero de volta não vá quebrar, não deixe que roubem, era de minha avó... O cartaz saiu errado, puta que o pariu essas gráficas cobram caro e não acertam nunca, agora foda-se... ensaio final, tá uma bosta, ralentado, tem cena fora de ordem, tira esta estica a outra, não cortem aquela minha fala, eu só tinha ela... alguém esquece o texto, a luz estoura e o cenário esta capenga, mais cor, mais cor, menos agora, no ponto. tá fora da luz, a musica entra agora, não esta, certo esta agora. Convida todo mundo, dor de barriga, tudo pronto, cheguem 5 horas antes, não melhor chegar 6 horas antes, não dá mais tempo para nada, agora é tudo ou nada... corre para o banheiro, cade minha sombra, não esquece a flor, cacete esqueci de trazer a flor, corre arranja flor.Primeiro sinal, segundo sinal, merda prá você, abre a cortina, a luz vem fininha crescendo, a música vem subindo, uma leve tremedeira nos joelhos, olha direito, não acredita, olha novamente, ninguém na plateia.
Cadê o público.
Chove muito, muito, chove de balde, ninguém quis sair de casa.
Hoje não vai haver espetáculo.



 PS.: No teatro, antes de entrar em cena, costuma-se dizer uns aos outros: - Merda prá você!
Este habito vem do tempo em que o público ia ao teatro de carruagem e a rua em frente ao teatro ficava cheia de bosta de cavalo quando a peça era um sucesso.






terça-feira, 20 de setembro de 2011

ÓBVIO

Cada um vê as coisas com um olhar... coisa mais óbvia.
Mas as coisas são como são não importa quem as olhe... mais óbvio ainda.
Mas algumas pessoas tem o talento de ajudar as outras pessoas a olharem as coisas de uma maneira melhor.
Eu tenho a sorte de ter ao meu lado, ou virtualmente muitas pessoas que me ajudam a ver as coisas de uma forma muito melhor. E assim eu sigo traduzindo aquilo que poderia parecer óbvio para muitos, mas que guarda em sí uma outra versão da coisa, ou muitas versões de uma mesma coisa. Versões que se modificam com o tempo, sem assentam em novas bases e vão encontrando novas maneiras de se mostrar.
Nada é óbvio, nada que se possa observar tem o dom de ser óbvio.










sexta-feira, 2 de setembro de 2011

CHEGOU A HORA

Ontem encontrei o Élcio no bota fora. Chegamos lá perto da meia noite, um lugar totalmente sinistro, rua estreita, cheia de curvas e becos assustadores, sombras se movendo sorrateiramente e úvios e gritos, muitos.
Lá dentro do bar um clima muito legal, meus seguranças armados ficaram vigiando na porta para evitar que ocorresse um daqueles arrastões já incorporados à cultura paulistana.
Mas o Élcio me falou: - Porra Borella eu preciso ir embora prá você vir me ver!
É verdade, estamos na mesma cidade e não nos víamos desde 198.... e1.
Vocês não acreditam né, que um cara que eu goste tanto simplesmente não convive comigo e eu me derreto todo por ele e fico na maior torcida por ele.
Ele é um show man, sabe produzir um acontecimento.
Saberá fazer uma grande história a partir de amanhã as 10 h no marco zero de São Paulo, na praça da Sé.
Estarei lá também porque faço parte de alguns momentos da vida dele e quero fazer parte deste momento também. Vai ser muito emocionante velo dar as primeiras pedaladas em direção inicialmente à cidade de Piedade, depois em direção ao resto do mundo.
Depois publico fotos.




quarta-feira, 31 de agosto de 2011

IMAGINO QUE DEVE HAVER...

um solução para cada questão, assim como uma explicação para cada mistério.
Eu aqui já me referí ao tempo e a vida como sendo uma linha, uma curva, um circulo, ou uma dobra, ou um laço, oualgo que se tangencia ou se cruza ou da qual se entra e sai o tempo todo, esta última idéia não é minha, li recentemente num livro não recente.
Imagine seu primeiro segundo de vida dentro de um universo. No segundo seguinte você continua no mesmo universo, mas como alguém em algum lugar tomou uma decisão que implicaria em uma mudança no curso de sua vida, você passou a também existir num outro universo onde uma mudança foi requerida, mas no terceiro segundo uma outra coisa implicou em seu destino e vai você existir triadimente em outro universo, e assim por diante eternamente se replicando em infinitos universos, em infinitos você cada um com um destino diferente, cada um sem saber da existência do outro.
Mas em alguns momentos acontece um Dejavuzinho e você cruza com você mesmo em outro universo por conta de uma escolha ou decisão sua ou de algum danado que não para de implicar e de influenciar toda a paz dos infinitos universos. Nesse momento você percebe e pensa: (Bolhinhas... Já passei por isso...Bolhinhas), e fica uma sensação mística na cabeça da gente que existe algo inesplicável acontecendo o tempo todo. Bom, explicação deve haver, talvez seja esta que estou oferecendo agora, talvez seja algo inatingível para nossas cabecinhas limitadinhas e cheias de coisas miudinhas que tomam o lugar das coisas de real valor.
Mas é gostoso imaginar que num universo seu time perdeu o jogo mas nos demais pode ter ganho. Que aquela sua decisão de atravessar a rua te levou à morte por atropelamento mas que nos outros universos você decidiu diferente e não foi atropelado, lá você apenas viu o carro passar. E quantas vezes teremos visto apenas passar os infinitos carros que infinitas vezes nos levaram a vida. Estranho? Nem tanto, acho que até bem possível. Eu quando criança sonhava em trocar de lugar e vida com um outro garoto que estava se dando muito bem na vida, ao passo que eu estava me lascando. Na época achei que não tinha trocado de vida com ele pois minha vida continuou tal e qual como estava e em minha consciência nada mudo. Mas e se mudei de vida com ele e estou lá e ele cá, mas desafortunadamente com a minha consciência sem saber que foi trocado por minha vontade. É séria a coisa, imagine as coisas que você sofreu ou foi forçado a fazer sem querer e sem saber.
Talvez você seja uma pessoa bem sucessida em outra vida, talvez tenha ganho um Oscar, ou ganho na loteria, talvez tenha tido uma perna amputada por trombose, talvez tenha morrido no parto. Se não houver um Dejavu não há como saber. Toda vez que você cruza com você mesmo pode estar certo que percebe o cruzar e leva um susto, não leva?  Mas não se preocupe, você não faz nada prá você mesmo que seja definitivo porque tudo vai se desdobrando, curvando, entrelaçando - é uma zona, mas zona organizada - e você vai apenas pulando para varios outros universos simultânemente e seguindo em novas versões, umas esticadas outras resumidas de você mesmo, e só não existe isso tudo porque você não sente e não pode reter o tempo.
Tem como provar? Acho que sim.
Veja um exemplo: Eu tenho uma amiga que trabalhava comigo em 1985, daí eu sai da empresa e fui viver longe um outro tipo de vida. Nesta semana ela me achou no Facebook e reatamos a conversa como se ela nunca tivesse parada de existir, estamos cheios de novidades para contar um para o outro. Onde estivemos este tempo todo? Bem, neste universo estivemos fisicamente próximos e distantes varias vezes sem sabermos, mas isso não replicou, mas quando nestes anos todos que se passaram eu lembrava dela ou ela lembrava de mim, a memória buscava num universo impalpável uma passagem de nossas vidas onde existiamos de verdade, e estavamos lá, porque podíamos ser alcançados ao menos pela forma da mente ou memória. Não convenceu né? Nem a mim, mas o fato é que existimos tenhamos ou não explicação para isso, existimos na mente e no coração das pessoas, na forma de saudades ou rancor, e um dia por acaso ou esforço de alguém que implica em nossas vidas tornamos a existir na vida da pessoa, e pior é que isso inclue tambem os cobradores de dívidas...
Esta semana tive deliciosos momentos ao reencontrar a Marcia que por sua vez me fez reencontrar o Celso e a Elaine que foram amigos doces, suaves e humanos - tremendamente humanos - num momento muito bom e feliz de minha vida. A Marcia especialmente, que soube de forma única em minha vida demonstrar amizade, carinho e gratidão plenos no último dia em que trabalhamos juntos (especialmente nesse dia mas não exclusivamente nele). A vida dela foi plena até aqui de fortes emoções, nem sempre boas mas de plena densidade e eu sou grato a vida por te-la encontrado novamente. Sinto pura felicidade em constatar que cada um deixou no outro uma marca boa e saudável, que nos permite agora desfrutar de algo que é verdadeiramente sólido, porque sobreviveu por 26 anos alimentado apenas pela força que teve, e que nos avalia como pessoas do bem, trilhando um caminho certo em direção aos infinitos universos que ainda nos aguardam sem que tenhamos, pelo que sabemos de nossas atitudes passadas, que temer o futuro.
Marcia, Celsinho e Elaine todo o meu carinho para vocês. 

terça-feira, 30 de agosto de 2011

O TEMPO NÃO DIRÁ SE VOCÊ NÃO SOUBER OUVIR.

As pessoas vem e vão em sua vida.
Algumas marcam profundamente, permanecem, outras apenas "relam".
Existe um talento ou uma capacidade ou talvez um oitavo sentido que penetra pelo olhar e busca por trás dele uma confissão. Se você tem esse oitavo sentido, pode de orgulhar de estar vivendo plenamente.
Eu não tenho, eu só percebo algumas coisas muito tempo depois, mas muito tempo depois mesmo. Ainda assim percebo apenas a existência de uma dúvida sobre qual teria sido realmente a confissão não traduzida.
Tapado a ponto de mesmo ouvindo cada palavra não conseguir junta-las e delas tirar a essência e o sentido exato.
Resulta numa dor fininha e triste, que levo para o escuro de meu quarto e lá fico tentando remediar aquilo que não será nunca mais remediado, nem em mim nem na outra pessoa, agora tão distante do momento e do sentimento.
Reconheço essa capacidade de lidar com o oitavo sentido, as vezes, nas pessoas mais toscas e imediatistas.
Aquelas que apenas raspam na vida dos outros, são as linhas que vão tangenciar as infinitas parábolas que vão encontrar ao longo de suas sempre longas existências imediatistas. E com isso eclipsarão os que queriam estabelecer relações sérias, honestas, profundas e reciprocas.
Mas a culpa é de quem não tem e não de quem tem e usa mal.
É apenas frustrante constatar que passou pela vida e não conseguiu perceber as confissões que tentaram te fazer, que você continua vivo e continua incapaz de saber de tanta coisa que sentem a seu respeito e que seria tão importante saber. Faria você mais feliz, te daria mais combustível prá turbinar sua vida, te faria crescer e ter maior auto-estima.
Uma grande parte da vida perdida. Um lapso, uma fenda, uma lacuna importante que não deveria existir.

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

O CINEMA VAI AO TEATRO

Nosso grupo que se reúne prá ver filmes variou neste final de semana e fomos ao teatro.
Da outra vez fomos ver a Glória Menezes em "Ensina-me a viver" e gostamos, mas gostamos pouquinho.
Neste Sábado fomos ver o monólogo "Doido" de/e com Elias Andreato e daí gostamos bastantão.
Dá um gostinho daquele tempo que a gente era mais ingênuo, daquele tempo em que ainda ouvíamos e suspirávamos com poesia. O texto flui, flui muito bem, o modelo da montagem é corajoso, pois ele permanece a peça toda sentado na cadeira e nem assim há um segundo sequer de monotonia.
O ator é uma simpatia e pura gentileza, pena não ter aceito prá jantar com a gente na casa de uma amiga, mas nós somos entrões demais, mas ele aceitaria não estivesse de carona e tão longe de casa.
O ator é ótimo, o texto emociona, a generosidade de vir tão longe trazer seu trabalho nos deixou muito felizes, e estou aqui recomendando. Se você é de São Paulo ele se apresenta num circuito dos CEU da prefeitura de São Paulo, procure se informar, ou pode ser que qualquer hora ele passe por sua cidade.

terça-feira, 23 de agosto de 2011

ARREFECIMENTO

Sou de um geração que prometeu mas não cumpriu.
Na época ninguém estava sendo cobrado de nada, mas mesmo assim, indignados, muitos saíram às ruas e revolucionaram, conseguiram algumas coisas, bem poucas, e depois transformaram toda a luta em mera poesia. Havia uma peça de teatro com um ótimo nome para isso: Um grito parado no ar, se você é meio velhinho deve lembrar ao menos do nome.
Hoje o mundo opera pela individualidade e por regras de consumo que oscilam entre a pura futilidade e a completa ostentação. Sempre houveram pessoas fúteis e ostentativas, mas hoje incrementaram-se as estatísticas.
Recebo sempre emails da revista "Pequenas empresas grandes negócios", e vejo lá nas resenhas que a energia para lutar é uma coisa que se torna maior a cada dia. Pessoas se tornam cada vez mais competitivas e buscam por novos maneiras de no mínimo ficarem milionárias. Não há meio termo, é sucesso ou morte.
Em parte vejo o momento pelo retrovisor em outra parte engulo poeira.
Sonhei, realizei, mas fiz pouco, meus melhores momentos estão muito aquém do que fazem hoje os novos empreendedores. Neste ponto como poeira.
Achei meu lugar na vida, e tenho infinitas oportunidades de manobras, mas honestamente, bem pouca vontade de sair à luta como se sai atualmente. Mas me abate as vezes sentir que deixo passar tantas oportunidades e tantas chances de sentir frio na barriga, arrefeci.
Saltei da adolescencia direto para a velhice de alma; ou será maturidade de alma?
Aprendi a muitos anos que é um grande erro querer abraçar o mundo, essa atitude nos desnuda em nossa verdadeira face: a da ingenuidade e pretensão desmedida.
É preciso saber parar, é preciso saber usufruir os verdadeiros presentes que a vida nos dá.
Saber sair de cena é certamente um dos maiores valores de uma pessoa.

sábado, 20 de agosto de 2011

PODRE, DESEQUILIBRADA E CRUEL.

A SEGUIR REPRODUZO MATÉRIA DA FOLHA ON LINE DESTE SÁBADO 20 DE AGOSTO DE 2011.
"Pelo menos 500 caixas eletrônicos foram roubados ou furtados neste ano no Estado de São Paulo, segundo levantamento dos órgãos de inteligência da polícia, informa André Caramante, em reportagem disponível para assinantes da Folha e do UOL, empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha.

Análise parcial feita pela Folha revela que os principais alvos são as máquinas instaladas em agências bancárias (37%), seguidas por supermercados (22%) e postos de gasolina (10%).

Em média, cada caixa tem de R$ 70 mil a R$ 100 mil. Os ladrões intensificaram ataques às máquinas, em geral com explosivos ou maçaricos, para evitar os tiroteios em assaltos a banco.

Até junho, a Polícia Civil havia conseguido rastrear quatro quadrilhas. Em todas, foi detectada participação de policiais militares _atualmente, 35 estão sob investigação"

Agora meu texto:
Não adianta ligar para a policia, eles não aparecem.
Se aparecerem pode ter certeza que ou querem tirar o seu dinheiro ou invertem a realidade prendem você e liberam, o ladrão.
Adoram comer de graça e obter doações dos comerciantes.
Cantam as balconistas e cometem assédio sexual em pleno serviço com a maior naturalidade.
Onde?
Parece coisa da Africa né?
Como cantava o Chico Buarque nos anos 70/80: "Chame o ladrão, chame o ladrão".

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

NÃO ESTAMOS NEM AI...

Pesquisa do Datafolha publicada hoje no Folha on.line diz que 61% dos paulistanos ( torcedores de qualquer time ) querem a construção do Itaquerão, ou Fielzão ou o estádio do Corinthians onde alguém pretende que seja feita a abertura da Copa do Mundo de 2014, mas na mesma pesquisa saiu também que 60% dos entrevistados disseram que não dão a minima para a Copa ter sua abertura em São Paulo, acham que não é importante e que não muda em nada a vida da cidade, só 17% acham que é importante.
Todos não querem ver dinheiro público sendo gasto na construção do estádio, embora o governo vá torrar milhões para alegria dos políticos e empreiteiras, nas obras complementares no entorno do novo estádio.
O Bairro de Itaquera vai ganhar com isso, vai ficar melhor em muitos sentidos e principalmente em auto-estima e isso prá mim já justifica o gasto que vai ser enorme, concentrado num único ponto e para poucos já que São Paulo é muito grande e não há dinheiro que chegue para solucionar todos os deus dodois.
Moral da história: bom saber que o pessoal todo não entra mais tão de cabeça nessa história de Copa do  Mundo.
/

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

HORA EXATA

Tchannn!! Surge a inspiração.
É a hora exata, mas você nunca esta na possibilidade de fixar a idéia precisa.
A essencia dura só um lampejo, se você não conseguir memorizar a sensação, já era.
A arte é perversa, as boas idéia sempre nos vem nos piores momentos.
Sentar para trabalhar um idéia que esta na cabeça mas não se materializa é uma das piores sensações que existem, ou pior, só poder lidar com a idéia muito tempo depois quando você já não esta mais no clima e ela também não se materializa.
Não adianta fotografar com o celular, anotar no bloquinho de notas, a essência e muito fugaz.

terça-feira, 16 de agosto de 2011

GALINHA FOGE AO SER OFERECIDA EM SACRIFÍCO NUM VULCÃO

Parabéns dona galinha, depois dizem que galinha é o bicho mais burro que existe...
Subir um puta morro desses prá deixar a galinha fugir... frangamente.

Ontem assaltaram o treinador Zacallo. Quando os ladrões ( 4 ao todo ) reconheceram o treinador optaram por roubar apenas um cordão de ouro e a carteiar com  os documentos e o cartão de crédito, desistindo de levar o carro.
Uma pena que os ladrões não tivesse apenas pedido descultas e se retirado sem nada roubar. Mostrariam que mesmo entre bandidos é possível ter alguma forma de nobresa e respeito.

Alguns dias ou semanas passadas um assaltante abriu a porta de um carro blindado e colocou o revolver na cabeça do motorista anunciando o assalto, no banco de trás estava Michel Temer - vice-presidente da república. Os seguranças que vinham no carro de trás renderam e prenderam o bandido.
Ladrão burro...

Novamente meus parabéns a galinha.

sábado, 13 de agosto de 2011

LUCIDEZ

Digamos que lucidez seja a capacidade que você tem de perceber com razoável acerto a realidade que te cerca. Digamos que não é possível ser 100% lúcido em nenhum momento da vida. Digamos ainda que talento para viver é conseguir interagir com pessoas nos mais variados níveis de lucidez e obter resultados produtivos com um mínimo de estresse.
Mas você tem certeza que é lúcido?
As vezes me pego viajando numa ideia ou pior em atitudes impensadas que fogem ao padrão acima.
Quando você bate boca com alguém certamente esta num momento de estresse e pouca lucidez, ou quando tudo dá errado em seu dia e você começa a se tocar que as coisas estão acontecendo por sua culta e falta de habilidade em planejar e administrar o plano.
Quem tem filhos e uma tia velha por perto sabe que lucidez tá passando longe, neste caso você nunca consegue obter resultados produtivos e embarca em grande estresse, sem contar que acaba, na maioria das vezes para minimizar a tensão geral, baixando seu nível de lucidez satisfazendo a demanda dos outros.
O quê você me diz de morar na periferia de uma grande cidade como eu onde tem um bando de jovens se estourando com suas motos, tomando todas, se drogando, ouvindo em som absurdamente alto as piores "músicas" - você chama isso de música - enquanto mamães e papais acham os filhinhos umas gracinhas.
Falta absoluta de lucidez, com todo o preconceito que digo não ter, diria como dona Florinda: Gentalha, gentalha, gentalha...
E um pais como o nosso onde todo mundo rouba, entenderam, todo mundo.
Quem não rouba e se omite, técnicamente é cúmplice, portando faz parte do roubo mesmo não ficando com algo da partilha. Vi por estes dias no Facebook um frase que circulou bastante, mais ou menos assim:
Que em São Paulo juntamos 4 milhões de pessoas para uma parada do Orgulho Gay, 2 milhões para uma parada evangélica, 40 mil pessoas numa parada para legalizar a maconha, mas que ninguém sai às ruas para protestar contra a corrupção. Pura falta de lucidez.
O mundo não é coerente, por isso me acomodo no anarquismo onde não preciso nem ser lúcido, nem prestar contas e nem ter argumentos lógicos.
O mundo é bastante infantilizado, a infância não é lúcida, e isso parece ser falsamente bom pára todos...
Hoje me omito, quando aqui em casa vejo que a conversa baixou muito na escala de lucidez, despisto e caiu fora, vou brincar com os cães e a minha gata.

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

BANDIDOS MORREM JOVENS.

Trabalhei muitos anos de minha vida em empresas familiares, ou aquelas em que os membros de uma família são ao mesmo tempo os proprietários e diretores executivos. Você fica próximo ao poder e as vezes próxima a vida pessoal dos poderosos. É o tipo de emprego mais difícil que existe porque toda família se enfrenta e você, que tem um interesse diverso do deles, fica no meio da briga. Foi regra em todas as empresas e em todos os momentos de minha vida profissional.
Num grupo de empresas onde trabalhei por muitos anos, a fogueira ardia dia e noite e sendo a prática da empresa um espécie de sobrevivencia na selva das empreiteiras aliadas a governos corruptos, acabava-se vendo muita coisa que parecia suspeita. Mas o fato é que mais cedo do que pensavamos vimos os bancos estatais darem um rasteira no grupo, vimos o grupo sendo pego em práticas vexatórias e dai não deu prá não rotular os famíliares de quadrilha.
Mas Brasil é Brasil e todos pareciam que iam se dar bem...
Estranhamente não foi assim, um membro rebelde meteu-se a delator e acabou em cana, mas depois sucederam-se algumas mortes estranhas e o ápice foi com o suicidio do rebelde, viram que é coisa grossa nè?
Os demais membros da familia estão morrendo muito jovens, niguém esta chegando ao 50 anos... mas pasmem, morrem de vícios. Morrem meio que como mendigos morrem debaixo dos viadutos nas noites de frio, de tanto beber.
Tanto potencial, tantos centavos que me roubaram e roubaram de meus colegas - meu pobre FGTS...
Deram de graça prá um gatuno do interior de São Paulo que a pouco morreu de cancêr.
Assisto eu aqui a cada um deles morrer sem glória, poderiam ao menos ter feito bom uso das pilhagens.

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

CHUTE-ME OU CONSTRUA UM PALÁCIO COMIGO



FERDINAND CHEVAL


Carteiro francês nascido em 1836, teve uma idéia ao tropeças em uma pedra - fato real. Poderia apenas ter dito: - Puta que o pariu... ou Le Puté que le parriô... mas não, ele então recolheu aquela pedra e nos 33 anos seguintes prosseguiu recolhendo pedras pelos caminhos de seu trabalho e com elas construiu um palácio. Seu Palácio Ideal em estilo classificado como naif, tem um ar de hinduísta e logicamente é meio caótico. Em placas incrustadas nas paredes lê-se “ Trabalho de um homem só “ e “ É proibido não tocar “. Ele queria ser sepultado no palácio mas autoridades francesas não permitiram, então ele construiu um mausoléu próprio em um cemitério (Hauterives) oficial ao longo de oito anos. Quando ficou pronto bastou apenas um ano para o carteiro morrer e poder ocupá-lo, acho que ele deveria ter demorado mais na obra.

Invejável não? Quero dizer: a obra não a sorte e a morte. Ele morreu em Agosto de 1924, mas isso não faz importância prá gente, mas caso você queira ir até lá tocar no palácio, já que não é proibido, ele fica num lugar chamado: CHÂTEAUNEUF-DE-GALAURE, no départemente de Drôme na França.

Não sei se é fácil de achar, mas se você for até lá por favor arranque um pedrinha e me traga, é que sempre me amarrei em aventuras de pessoas malucas assim e gostaria de ter um lembrancinha.

Vamos ao que importa, eu teria chingado e ficado puto da vida com a pedra, jamais pensaria em dedicar os próximos 45 anos de minha vida para construir um palácio e um túmulo, nunquinha.
Mas depois que vi uma montagem sobre o tal carteiro numa das Bienais de São Paulo lá pelos anos 70 ou 80 me inspirei e passei a dar valor às pedras, tampinhas de garravas, arruelas e parafusos que encontrava pelos caminhos. Passei mesmo a trazer pedras para casa das estradas ao redor de onde moro e já construi um pequeno muro em torno de uma amoreira com elas. Eu acho que ele me inspirou a dar utilidade aos objetos tidos como sem valor, a aproveitar tudo que me caia as mãos e a perceber que soltos em torno da gente existem recursos desperdiçados aos montes, sem falar nas duas maiores lições: 1) que uma obra é construida de pedrinha em pedrinha ao longo de anos de dedicação e persistência; 2) que cada um deve disperdiçar sua vida como quiser, mas que alguns a disperdiçam bem melhor que os outros.
Não acho que o carteiro era um cara de mente simples, penso que era uma pessoa simples com um mente muito especial, humilde na profissão, mas com grandeza interior reservada só para ele e seus objetivos, alias isto é mais que claro.
Aprenda com ele, como eu aprendi a muitos anos - não quer dizer que eu venha praticando este tempo todo - e aproveite tudo: seu tempo, seus sonhos, suas sobras, as sobras alheias e tudo que você puder arrancar e levar para casa para dar bom uso.

Nota: Naïf é um estilo de arte, ou no caso arquitetura, construida de forma primitiva por realizadores que não frequentaram cursos, acadêmias ou receberam orientação de alguém formado. Na verdade é um discriminação dos que se formaram em acadêmias e não tem talento, contra os que são artistas natos e não sentaram em um banco de escola, tipo assim uma puta dor de cotovelo.


quarta-feira, 10 de agosto de 2011

DEU VONTADE, FAZ... TEM CORAGEM?

Sempre alguém se enche o saco da vida e resolve pensar em mudar tudo, ou pelo menos largar tudo por um tempo e sumir, ou no mínimo mudar a cor de uma parede da casa. O fato é que sacos se enchem o tempo todo, levam a sonhos de mudança e liberdade mas quase ninguém leva nada a cabo, quase ninguém chuta o balde.
Normalmente uma mudança radical é sempre resultado de um forte crise pessoal, e em alguns casos é uma semente que já nasceu dentro da gente e que vai germinando ao longo de anos de caminhos que não nos agradam até que um dia você sente que ou muda, ou perde sua vida sonhada, ou vai se tornar um velho amargo e frustrado.
Aconteceu comigo aos 25 anos, depois aos 32 anos e nas duas vezes as mudanças foram radicais. Na primeira houve um recuou, e foi horrivel ter que recuar, na segunda parti mais amparado materialmente, mas preparado emocionalmente, mais bem direcionado pela experiência anterior e estou na mudança a já quase 20 anos... mas percebo que há um nível ou um possibilidade de mudança um pouco mais elevada. Neste momento penso como um alpinista que vai de acampamento de adaptação em acampamento de adaptação até chegar ao ponto mais alto, sempre com a possibilidade de retornar quando se fizer necessário.
Mudanças radicais como queima de navios são muito difíceis, fechar todas as possibilidades de volta envolvem um grau de coragem elevado demais para simples mortais como nós.
Quem viu o filme de Sean Penn "Na natureza selvagem" e tem na alma a inquietação da qual falo aprendeu muitas lições. Uma delas é de que a felicidade só é felicidade quando compartilhada com alguém. Outra é de que o sofrimento da opção é mais que recompensado pelo que você vai receber, conhecer e viver na jornada. Outra, ainda, é que pular sobre o fio da vida, faze-lo balançar é o minimo que se espera de pessoas que não se ligam em materialidade, casa, família reunida, natal e amizades firmes.
O filme tem final trágico, não precisa ser assim. Você pode mudar radicalmente também por períodos muito curtos como um final de semana prolongado ou mesmo um comum. Mas a atitude tem que ser radicalmente inversa à sua rotina, você tem que ralar, fazer aquilo que não cabe em seu dia a dia. Não pense em conforto, comida, banho, calor, carinho e sorrisos... a recompensa é outra, é um tipo sagrado de coisa que não há nem como descrever... você faz parte do bando ou não.
Dê onde você tiraria coragem para romper? Da vontade de viver mais ou da angustia de viver contrariado?
É preciso coragem, conhecimento e conteúdo pessoal para embarcar neste rumo...

terça-feira, 9 de agosto de 2011

IDÉIAS ERRADAS

Falo não sobre placas com erros de português ou irônicamente instaladas, mas sobre o erro de idealização da informação. Em Itapecirica da Serra há ou havia uma placa com a seguinte informação: PODO ÁRVORES A DOMICILIO, e uma amiga comentou que era um alívio saber que não seria preciso levar a árvore para ser podada no local de trabalho do podador... daí falei sobre as entregas à domicilio que são anunciadas nas fachadas dos supermercados de bairro aqui de São Paulo, existe outro local a se fazer a entrega senão no domicilio?

Aqui próximo tem um caso mais raro, uma oficina bem boqueta, que "lubrifica suspensão de Kombi", por que só de Kombi, e se eu tiver um fusca?
E uma outra amiga lembrou de algo que embora não tenha a ver com texto tem a ver com localização, era uma portinha modesta onde funcionava um unidade da AAA Associação dos Alcólicos Anônimos, vizinha de parede pelos dos lados com botegos e quase em frente a uma adega ( aqui em São Paulo = uma distribuidora de bebidas )... luta de gigantes.

ORGULHO E PRECONCEITO

Vitorio, estou pensando em lançar a parada do orgulho obeso... sim porque apesar de não sermos tão minorias, somos discriminadas pela mídia, esse mundo que acha que o belo tem que ter o manequim da Giselle Bundchen.
Acha que eu conseguiria alguma coisa em Sampa?
Já que abrimos as portas da esperança para toda sorte de orgulho, quero o meu também!!!!!!!!!!!

Beijokas
Mary

8 de agosto de 2011 10:00


Na época em que eu frequentava a faculdade Metodista, no curso de Publicidade e Propaganda, sai com minha mãe para fazer compras, e no caminho encontramos uma amiga que me cumprimentou com festa e um escandaloso beijo na boca. Só o beijo já seria suficiente para matar minha mãe do coração, mas a descrição de minha amiga vem a seguir: ela tinha quase 1,80m pesava uns 100 kgs e é negra escura.
Uma mãe italiana não digere certas coisas, mas eu em verdade vos digo: a amiga era uma das pessoas mais adoraveis que já conheci na vida, um companhia sempre alegre, grandes tiradas, bom humor inabalável e capaz de socar qualquer um para defender um amigo. Tinha ( deve ter ainda pois faz muito tempo que não a vejo ) tudo de bom e ótimo que uma pessoa deve ter. Inclusive a capacidade de olhar no espelho e ver o reflexo de uma pessoa normal.
Na mesma época e na mesma faculdade numa aula de filosofia da inesquecível professora Cleopatra Poli, debatiamos sobre preconceito e uma garota bem loirinha, bonita, secretária em uma montadora americana de veículos, dizia-se isenta de qualquer preconceito, e na verdade no dia a dia parecia sim ser, mas ao ser perguntada se se casaria com um negro foi categórica na resposta: -Não.
Cresci entre pobres, entre gente sem dente e com dor de dente, andei de ônibus e ainda anda bastante a pé e de ônibus, tinha gente de nossa família bem obesa, depois tivemos a inclusão de negros e nordestinos na família, ou seja, eu tinha todas as razões do mundo para não ser preconceituoso e nunca fui, não sou, mas as vezes escorrego.
Só depois de começar a escrever este blog passei a ter orgulho de meu passado, sinal de que nem eu conhecia direito os significados implicitos em minha história. Percebi então que tive a oportunidade - muitas vezes perdida - de conviver com pessoas maravilhosas, e, infelizmente só se tornaram maravilhosas com a distância do tempo, quando então pude amadurecer e julgar adequadamente cada um que passou por minha vida.
Quem conhece pessoas e gosta de se dedicar a elas sem segundos interesses, que afirmo é o meu caso, fatalmente encontra pessoas maravilhosas.
Eu conheci muitas, venho conhecendo e tenho certeza vou ainda colecionar infinitas boas amizades - lamentando sempre não poder conviver próxima e adequadamente com cada uma delas.

MaRy acho que devemos sim fazer a Parada do Orgulho Obeso aqui em São Paulo.
Encheremos a Avenida Paulista com muito poucos, engordarei só para isso.
Seremos ridicularizados, seremos espinafrados e comparados, mas mostraremos que nosso espelho quando olhamos para ele reflete pessoas normais, corretas, dignas, produtivas e decentes, que a Gisele é bonita sem dúvida mas a MaRy JoE também é, e eu posso afirmar porque atestei isso pessoalmente, e comentei quando cheguei em casa:
- Gente, ela é muito bonita...
O mundo é esse, não vai ser fácil mudar, ser superior aos preconceitos doi tanto quanto sucumbir a eles, eu já sofri por ser magro, pobre e dizer que estava com dor de dente, já fui maltrado em ônibus, levei banho de carro que passou em possa dágua e já me perguntaram uma vez se eu tomava banho.
Estou aqui, belo, feliz, morando num lugar lindo, com mulher e filha lindas, cercado de coisas que gosto. Quem me torrou, como será que está agora?

MaRy vamos fazer a Parada, distribuir bacon frito prá todo mundo, fodam-se todos, somos o que somos mesmo que não seja fácil enfrentar, vamos encher a avenida...
convidar a Gisele... convidar os Gays, os vereadores, os Carecas de Santo André, os Heteros Orgulhosos, os negros, os brancos que se fingem de negro prá entrar na faculdade por cota e os corruptos, inclusíve os corruptos obesos... vai virar uma zona, mas mostraremos que nada na vida faz sentido, então diremos: - DESPREZE-ME, MAS NÃO ME APONTE O DEDO.

domingo, 7 de agosto de 2011

CINEMA NO SOFÁ DA SALA.









  • Se na sua cidade tiver a promoção da Folha de São Paulo sobre cinema europeu, informo que alguns títulos são imperdíveis, ontem assistimos ao "Fitzcarraldo", ótimo filme, muito doido e que vale a pena não só pela proeza da filmagem em plena amazonia mas principalmente pela cara de doido do Klaus Kinski, o cara é uma figura única no cinema.




  • No primeiro número vem junto com "A Doce vida" de Fellinni, que ainda não assisti, mas devo fazê-lo nos próximos dias ou horas.




  • Assisti na quinta "O Concerto" ( hoje sem saco para dar detalhes técnicos, digamos: foi feito por um francês) e que fala de um maestro principal do Teatro Bolshoi que é destituido do cargo no meio de um concerto pelo primeiro ministro Bregnev e elevado ao cargo de faxineiro do teatro por 30 anos, por conta de abrigar em sua orquestra um grupo de músicos judeus, até que um dia ( uma noite ) enquanto fazia a faxina cruza com a chega de um fax vindo da França convidando a orquestra para se apresentar em Paris, o maestro surrupia o fax, monta uma orquestra Bolshoi pirata com os músicos judeus expulsos a 30 anos e vai a Paris terminar o conserto interrompido em Moscou... muito legal no todo, cheio de pequenas falhas plenamente suportáveis e vale ser visto.