PENSANDO

PENSANDO

sábado, 26 de dezembro de 2009

APENAS ALGUMAS ALTERNATIVAS VALIDAS

Raul Seixas e Paulo Coelho divulgaram através de suas músicas a ideia de Sociedade Alternativa.
Um ideia anarquista que como toda a teoria anarquista é cheia de lacunas e falta de clareza prática, mas nem por isso é um assunto menos apaixonante para aquelas horas em que estamos com o saco cheio da vida.
O General Ernesto Geisel, que era um homem muito inteligente, mas cercado de bajuladores que faziam com que as coisas imaginárias ganhassem peso de verdade e nelas passavam a acreditar viram na Sociedade Alternativa do Raul um inimigo prestes a atacar e destruir a Revolução Militar de 1964. Resultado foi que Raul e Paulo Coelho primeiro foram convidados a das esclarecimentos sobre suas teorias anarco-libertárias, depois o Raul foi torturado pelos militares e expulso do Brasil. A teoria era, hoje sabemos, um delírio sem fundamentos consistentes que viabilizassem sua transformação em algo verdadeiro, real, existente. Não era em momento algum um Sociedade que substituiria a existente, mas uma alternativa para uns poucos despendidos, apenas isso. Um grande besteira em que poucos acreditavam e que ninguém conseguiria realizar dada a rudimentar elaboração teórica que tinha.

Leia o manifesto a seguir extraído da Wikipédia:

O texto que segue abaixo está no manifesto/gibi A Fundação Krig-Ha, , distribuído no primeiro show de Raul em SP em 1973. Escrito por Raul e Paulo Coelho, entre outras pessoas, esse manifesto lança a idéia de Sociedade Alternativa. No ano seguinte, todas as cópias desse manifesto seriam recolhidos pela Polícia Federal e queimados como "material subversivo". Raul foi preso e torturado pelo "Dops" e é "convidado" a se retirar do país, retornando ao Brasil pouco mais tarde devido ao sucesso de seu disco "Gita"
Prefácio
Nós vos saudamos, Maria. Nós Vos Saudamos José. E nós saudamos os artistas brasileiros que tiveram o silêncio do resto do mundo quando seus trabalhos e seus corpos foram censurados, mutilados desaparecidos.
Manifesto
1 - O espaço é livre. Todos tem direito de ocupar seu espaço.
2 - O tempo é livre. Todos tem que viver em seu tempo, e fazer jus as promessas, esperanças e armadilhas.
3 - A colheita é livre. Todos tem direito de colher e se alimentar do trigo da criação.
4 - A semente é livre. Todos tem o direito de semear suas idéias sem qualquer coerção da INTELEGENZIA ou da BURRICIA.
5 - Não existe mais a classe dos artistas. Todos nós somos capazes de plantar e de colher. Todos nós vamos mostrar ao mundo e ao Mundo a nossa capacidade de criação.
6 - "Todos nós" somos escritores, donas-de-casa, patrões e empregados, clandestinos e careta, sábios e loucos.
7 - E o grande milagre não será mais ser capaz de andar nas nuvens ou caminhar sobre as águas. O grande milagre será o fato de que todo dia, de manhã até a noite, seremos capazes de caminhar sobre a Terra.
Saudação final do 11o manifesto.
Sucesso a quem ler e guardar este manifesto. Porque nós somos capazes. Todos nós, todos nós somos capazes.
Escrito por: Raul Seixas, Paulo Coelho, Sylvio Passos, Christina Oiticica, Toninho Buda, Ed Cavalcanti.



Hoje sinto uma inquietação nas pessoas com a vida que levam.
Buscam alternativas, buscam uma vida mas inteligente porque, principalmente aqui em São Paulo a vida tornou-se uma coisa muito burra. A comunidade esta esgarçada, as regras são demasiadas, as punições vem antes do julgamento, o julgamento antes do processo e o processo não existe, só existe a culpa. Vivemos amontoados, o prazer foi suprimido, tudo custa caro demais não só em dinheiro como em trabalho e sacrifício para obtenção. Quem pode foge. Mas mesmo a fuga é para um ponto periférico e é apenas um refresco e a dependência da estrutura social aflige de qualquer maneira, apenas se obtem alguns atenuantes que logo são neutralizados pela ação tentacular de uma minoria chata, insistente e persistente que não poupa ninguém e nenhum bolso, é como morar num prédio em que o sindico ignorando a penúria de seus moradores insiste em fazer obras fúteis e injustificáveis.
Ganha força com isso querer educar e fazer crescerem os filhos numa outra sociedade.
Um escola melhor e mais dedicada, filhos brincando com crianças conhecidas e saudáveis.
Recuperar-lhes o direito de serem ingênuos.
E para todos a possibilidade de respirar, andar a pé, trabalhar bastante mas naquilo que gosta.
Comer algo saboroso e não industrialmente produzido, mecanicamente servido, e elaborado sem afeto e ter pessoas afins com quem conversar e se divertir.
O primeiro erro é pensar em fazer isso num núcleo isolado, num condomínio, num sítio, onde todos serão rotulados de doidos ou e onde o convívio logo se tornará insuportável. O formato terá que ser diferente do que se fez até agora.
Reinventar :





Se não for feito diferente não existira como nunca existiu pela formulas que foram tentadas.
Não importa que o profeta seja empolgante, o caminho tem que ser claro e possível.
E a Sociedade só vai se tornar Alternativa se a ideia original for realmente uma alternativa ao que temos. Se for só mais um desabafo não vai mudar nada.

3 comentários:

Arquimedes Pessoni disse...

Já liguei o piloto-automático pros grandes problemas do mundo...meu mundo ficou pequeno e é ele que quero consertar primeiro. Começo por mim, contagio os que estão comigo, faço de minha sala de aula e meus textos meus púlpitos e vamos invadindo corações e mentes buscando a mudança coletiva que começa sempre no individual, sem partidarização, bandeiras de religiões e passeatas de branco. Sou anjo de uma asa só. Preciso de alguém me abraçando pra alçar vôo. Alguém se habilita?

Vitorio disse...

Arqui.
1) Vc esta absolutamente certo e preciso em cada palavra.
2) Muitos quererão voar junto com vc, pq vc é confiável e invejavel.
3) Responder poeticamente, como vc respondeu, é uma grande homenagem prá mim.
Obrigado

Mary Joe disse...

Naõ acredito em mudanças por decreto. Sejam de que situação for... então, estou como o Arquimedes, pensando em cuidar do meu jardim, e se atrair as borboletas (como aquele texto batidaço que vive pelo orkut, rs), terei conseguido o que tentei.

Tenho notado que algumas sementes germinam, outras não. Mas naõ desisto de cultivar. Aliás, ainda naõ encontrei outra alternativa viável para mim, a não ser a vida de lavradora...
Beijokas
Mary