PENSANDO

PENSANDO

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

PULSEIRINHAS

É algo que esta me deixando indignado já alguns dias a tal história das pulseirinhas.
São umas tripinhas de um tipo de silicone com uns dois milimetros de diametro e em cores variadas. A criançada esta comprando aos montes e custam entre R$ o,05 e R$ 0,10 nas papelarias, bancas de jornal e casas de doces, cada cor tem um significado, arrebentam com facilidade e o jogo é claro e direto e cada criança coloca a cor que correspondente à sua intenção.
Vem uma outra criança do mesmo sexo ou oposto e puxa a pulseira, se arrebentar o dono da pulseira tem que pagar algo, esse algo varia de pequenas atitudes como um beijo uma passada de mão até a mais pura violência física ou moral. Os códigos foram se ampliando naturalmente a criatividade foi ampliando as possibilidades e o jogo foi se tornando contagiante e nervoso.
A coisa em duas semanas tomou uma proporção impensável. Muita coisa ruim e violenta esta acontecendo e as crianças entrando intencionalmente ou ingenuamente no jogo estão ficando exposta a coisas bastante desagradáveis. Hoje numa reunião de diretores de escola que minha mulher participou houve o comentário do quão danoso esta sendo o alastramento e mau uso das tais pulserinhas.
Nossas crianças são bichos selvagens, e isso é lamentável.
Minha filha tem sofrido por minha parte uma perseguição implacável porque eu descobri o significado da brincadeira antes dela e já comecei pegando pesado com ela, o que não estava evitando dela ficar consertando pulserinha todos os dias aqui em casa. Inicialmente queira Super Bonder, como eu negava o produto ela passou a usar a alternativa de acender vela e queimar aponta da pulseira. Hoje a proibição foi dada de forma absoluta, não pode usar, não poder ter não pode ficar perto dos participantes e vai ter incerta minha e de minha mulher na escola e revista nas coisas dela. Se a brincadeira é grave e acaba até em espancamento ou violência sexual na rua tem que haver também por parte dos país uma atitude igualmente grave e em proporção maior.
E mais, estou advertindo meus conhecidos que comercializam as tais pulseiras que parem de vender porque são corresponsáveis pelos danos.

3 comentários:

Mary Joe disse...

Essa moda ainda não chegou aqui... mas já vou ficar atenta. Pode ser que nem chegue... como os patinetes nunca foram queridos por essas paragens.

Mas se chegar estarei atenta. Vale o aviso.

Andréa disse...

Estou chocada! Minhas filhas ganharam várias da priminha, que por sua vez, claro, desconhece a "brincadeira". Estou repassando este texto para a mãe dela.
Valeu o aviso!

Creuza disse...

primito,fiquei curiosa sobre estas pulseirinhas e fui consultar na google o significado!!!realmente é preocupante pois os adolescentes muitas vezes são influenciados só para estarem na moda ...só que com esta turminha tem -se que ter mt dialogo pois apenas proibir se torna um estimulo para fazer escondido...o caminho é mostrar os dois lados da moeda e com carinho e amor sempre escolheram o lado bom!!!
Ainda bem que as minhas já passaram destaa fase...
bjtos