PENSANDO

PENSANDO

domingo, 1 de março de 2009

BOTANDO ORDEM NO PEDAÇO.....


Quando tua vida começa virar uma bagunça por conta da atenção que você dá aos outros, é chegada a hora de botar ordem no pedaço. Não tenha mêdo, faça uma degola geral. Distribua gêlo para todo mundo, só assim as pessoas vão entender que você esta precisando de tempo para organizar seu próprio mundo sua própria vida. Socializar de forma intensa é uma doença. Interagir em tempo integral é um erro e uma falta de respeito para com você mesmo.
Faça como os caras ai de cima, afaste os chatos, os pedunchos, os carêntes, os que não conseguem fazer nada sozinhos, os eternamente sem amigos para conversar, os que não se organizaram e acabaram sozinhos, os completamente sem grana, os idealizadores de programas de índio, as festas de aniversário de criança e os programas repetidos que você vive fazendo. Você vai ver que sobra tempo prá você fazer tudo o que sempre precisou fazer e não conseguia e ainda para se divertir com os bons amigos.

2 comentários:

Prof. Arquimedes Pessoni disse...

Eu te disse que excesso de Caras dava nisso... feche-se no seu sacrário, determine os limites e faça as escolhas. Verá que amigos são os desconhecidos com os quais ainda não conversamos e que durante uma vida toda poucos fazem jus a esse título. No mais, quem somos nós mesmo? Fecho com Antunes, abaixo:

Não Vou Me Adaptar
Arnaldo Antunes
Composição: Arnaldo Antunes

Eu não caibo mais nas roupas que eu cabia
Eu não encho mais a casa de alegria
Os anos se passaram enquanto eu dormia
E quem eu queria bem me esquecia...

Será que eu falei o que ninguém dizia?
Será que eu escutei o que ninguém ouvia?
Eu não vou!
Me adaptar
Não vou!
Me adaptar
Não vou!
Me adaptar, não!
Não vou!
Me adaptar
Não vou!
Me adaptar!

Eu não tenho mais a cara que eu tinha
No espelho essa cara já não é minha
Mas é que quando eu me toquei achei tão estranho
A minha barba estava deste tamanho...

Será que eu falei o que ninguém ouvia?
Será que eu escutei o que ninguém dizia?
Eu não vou!
Me adaptar
Não vou!
Me adaptar
Não vou!
Me adaptar
Não vou!
Me adaptar,
Não vou!
Me adaptar!

Eu não caibo mais nas roupas que eu cabia
Eu não encho mais a casa de alegria
Os anos se passaram enquanto eu dormia
E quem eu queria bem me esquecia...

Eu não tenho mais a cara que eu tinha
No espelho essa cara já não é minha
Mas é que quando eu me toquei achei tão estranho
A minha barba estava deste tamanho...

Será que eu falei o que ninguém ouvia?
Será que eu escutei o que ninguém dizia?
Eu não vou!
Me adaptar
Não vou!
Me adaptar
Eu não vou!
Me adaptar, não vou
Eu não vou!
Não vou me adaptar
Não vou!
Me adaptar!

regina disse...

bom...........................................por onde começamos..???